Blog F&G

0 Flares Facebook 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

Se você acha que a educação é cara, experimente a ignorância

Esta frase do título é atribuída ao advogado e educador Derek Bok, ex-aluno e ex-presidente da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Ela (a frase) nos faz lembrar que por vezes deixamos de comprar um livro, por exemplo, pensando somente no seu “preço”, sem avaliarmos, porém, o seu “valor”, ou seja, sem verificarmos os reais benefícios que poderemos obter com o conhecimento contido naquela obra.

Em se tratando do ambiente corporativo, mais especificamente da capacitação de gestores, podemos verificar que, antes da questão financeira, não é raro que outros fatores e pressupostos influenciem negativamente na decisão sobre os investimento em cursos e treinamentos técnicos e comportamentais. No momento da decisão, surgem argumentos como:

– Não é prioridade agora. Vamos programar para outro momento.

– No momento estamos com o caixa apertado.

– Esses treinamentos não agregam resultados práticos e imediatos.

– O gestor já deve estar capacitado nisso, pois essa competência é um pré-requisito para o cargo.

– Esse deve ser um investimento pessoal, pois, se o empregado se desligar da empresa vai levar o conhecimento com ele.

No meu modo de ver, a ignorância corporativa (no sentido de falta de investimento em gestão do conhecimento) pode ser comparada à hipertensão arterial, ou seja, é um mal que, por não apresentar sintomas, em regra não é diagnosticado a tempo e não recebe o tratamento devido, restando ao paciente a dor do colapso cardíaco e o tratamento intensivo, isso quando ainda é possível.

Como bem sabemos, os gestores que se localizam hierarquicamente na “média gerência” (gerentes, coordenadores, supervisores etc.) precisam estar adequadamente preparados para interpretar os planos estratégicos da empresa e transformá-los em resultados operacionais. Ou seja, são eles que fazem (ou não) as coisas acontecerem.

Gestão da educação corporativaA definição das estratégias gerais de educação no ambiente da empresa, e o desenvolvimento constante e sistemático do conhecimento e das habilidades dos gestores, fazem parte da “gestão do conhecimento” corporativo. Significa entender o conhecimento (e tratá-lo) como o mais valioso dos ativos da empresa, como de fato o é. Significa deixar de reagir às mudanças e passar a orientar e ditar o ritmo dessas mudanças organizacionais que envolvem a evolução e a dinâmica dos produtos, pessoas e processos.

Se você tem poder de decisão sobre os investimentos na capacitação de gestores na sua empresa, recomendo que reflita sobre isso. Ou então, se não tem sintomas, deixe como está. Certo?

Jairo Duarte

E 2015 chega ao fim…

Foi um ano bom ou ruim?

figura de um chimpanzé pensando

Depende…. Como diria Einstein “tudo é relativo”. Digo isso porque, se pensarmos em termos gerais econômicos, políticos e sociais, para o Brasil este ano de 2015 foi muito ruim. Porém, se pesquisarmos veremos que existem várias empresas e pessoas para as quais foi um excelente ano.

A minha proposta é que, neste momento (fim/começo de ano), devemos encarar 2015 como passado, e como tal só serve de experiência. Não temos como mudar o que já virou história.

Ainda no campo da proposição, creio que nunca é tarde para refletirmos sobre aquela frase cujo autor desconheço “assuma o controle da sua vida, ou alguém o fará por você“. É isso… mais uma vez, reveja e escreva seus propósitos, onde você quer chegar, “o que” você quer que aconteça em 2016. Depois disso, estabeleça “o como”, ou seja, descreva o que é preciso fazer para atingir o objetivo que você definiu.

Feito isso, agora é arregaçar as mangas e por a mão na massa, dia após dia, e a palavra-chave é “FOCO”, ou seja, manter a disciplina, dedicação e empenho, e abrir mão de algumas distrações – televisão e Internet, por exemplo.

Parece fácil, mas, 99% das pessoas não conseguem nem definir claramente seus objetivos. Para essas pessoas, prevalece a máxima do filósofo contemporâneo Zeca Pagodinho “deixa a vida me levar, vida leva eu…“.

O desafio está lançado. Você quer fazer parte dos 99% ou do 1%?  Na minha opinião, não tem certo nem errado, mas, faça a sua escolha com convicção.

Vejo você em Dezembro de 2016!!!    | Jairo Duarte, 23/12/2015

“A disciplina é a mãe do êxito” (Ésquilo – dramaturgo da Grécia Antiga)

Ciclo de Palestras

05/08 – Alunos dos cursos técnicos – ETEC Brasílio Machado

Palestra na EtecTanto na vida pessoal como na profissional, temos alguns “recursos” para administrar, ou seja, para usar adequadamente, de forma que seja possível cumprir com as nossas tarefas e atingir nossos objetivos cotidianos. Com relação aos “recursos”, estamos nos referindo aos: Recursos Financeiros, Recursos Materiais, Recursos Humanos, Conhecimento e Tempo.

No desempenho das funções administrativas em uma empresa, independentemente do tamanho da sua estrutura, os gestores devem trabalhar no sentido de mobilizar e otimizar os recursos disponíveis (ser eficiente) para atingir os objetivos planejados (ser eficaz), sob pena de comprometerem a sobrevivência da empresa, caso sejam negligentes, ineficientes e ineficazes.

Palestra etec Brasilio Machado

No campo das habilidades necessárias aos administradores, apresentamos aos alunos dos cursos técnicos, uma abordagem sobre o uso da “comunicação interpessoal” como ferramenta fundamental para engajar os colaboradores, estimular a equipe e transformar planos em resultados.

Jairo Duarte – Administrador